quarta-feira, 7 de Maio de 2008

Planeamento Familiar

Uma vida sexual quer-se segura, divertida e saudável. É suposto que as pessoas quando têm relações sexuais as possam ter e sentir-se bem com a sua sexualidade.
O Planeamento Familiar foi introduzido nos centros de saúde em Março de 1976 através de um despacho do Dr. Albino Aroso (um dos anteriores presidentes da APF) então Secretário de Estado de Saúde.
Este tem como objectivos melhorar a saúde e bem-estar da família, reduzir a mortalidade e morbilidade materna, perinatal e infantil, regular a fecundidade segundo o desejo do casal e preparar para uma maternidade e paternidade consciente.
Tal como tem objectivos, o Planeamento Familiar também tem actividades a desenvolver, como por exemplo: informar os casais sobre as vantagens e desvantagens do espaçamento das gravidezes e das vantagens de regular a fecundidade em função das suas idades, elucidar sobre as consequências das gravidezes não desejadas, dar informação sobre a anatomia e fisiologia de reprodução, facultar informação completa sobre todos os métodos contraceptivos, identificar e orientar os casais com problemas de infertilidade e desajustes sexuais e efectuar o rastreio do cancro do colo do útero, do cancro da mama, da SIDA e de outras DST’s.
Estas actividades devem responder a todas as necessidades das populações no plano da reprodução. Todas as mulheres em idade fértil que residem na área do Centro de Saúde, e outros casos fora da área em que haja uma justificação, devem inscrever-se nestas actividades. Devem ser especialmente motivadas ao Planeamento Familiar as grávidas inscritas ou não no Centro de Saúde, mulheres em risco, mulheres com idades inferior a 20 anos e superior a 35 anos e mulheres cujo o espaçamento entre duas gravidezes foi inferior a 2 anos. As equipas de saúde devem programar sessões de ensino de grupo para as utentes primárias sobre anatomia, fisiologia da reprodução e os diferentes métodos contraceptivos. As enfermeiras têm como obrigação ajudar a utente (ou casal) na escolha do método e proporcionar-lhe todos os esclarecimentos necessários.
O direito ao Planeamento Familiar está garantido na Constituição Portuguesa e na Lei 3/84. É de salientar que o Planeamento Familiar é gratuito e está disponível nos Centros de Saúde e em alguns Hospitais e Maternidades. Pode também ser encontrado serviços de Planeamento Familiar nas escolas de Ensino Básico e Secundário, bem como junto dos serviços de saúde e acção social dos estabelecimentos do Ensino Superior. Ainda há os Gabinetes de Apoio à Sexualidade Juvenil ou Centros de Atendimento a Jovens (CAJ) junto das Delegações Regionais do Instituto Português da Juventude, que atendem os mais novos com dúvidas nessa área. Dada a sensibilidade dos assuntos relacionados com o Planeamento Familiar, muitos cidadãos preferem recorrer ao Planeamento Familiar por telefone.
Todas as pessoas que necessitem podem ter acesso ao Planeamento Familiar independentemente da sua idade, sexo ou estado civil.
Com os cumprimentos do grupo
Altina Góis

Sem comentários: